Vereador pede mais tempo para a CPI do Mensalinho

Ontem, 2, foi a primeira reunião do segundo semestre da Câmara Municipal de vereadores de Bom Despacho. Os debates ocorreram de forma tranquila pelos parlamentares que estavam presentes, mais o caso Mensalinho voltou a ser comentado em plenário.

O presidente da CPI, vereador Fernando Cabral, pediu a presidência da Câmara, mais 90 dias de trabalho para a Comissão. Pedido foi aceito por todos vereadores, exceto Gilmar Iru e Cel. Jefinho, que se ausentaram.

Até agora, a CPI ouviu muitos envolvidos, mas os acusados Prefeito Haroldo Queiroz, Tereza Queiroz e Maria Cessão Queiroz serão os últimos a deporem na Comissão Parlamentar de Inquérito.

Comentários

Revistacidadesol disse…
E aí, Valmir. Vê se faz uma matéria cobrindo as eleições...não se esqueça de dizer que o prof Lúcio tá fazendo campanha para o Alex Lombello 2121, hein. E pode dizer assim: "o PCB está para ser fundado na cidade e traz polêmicas e por vezes radicais propostas, tais como acabar com o senado"...

Abs
Revistacidadesol disse…
Carta com propostas para Bom Despacho
Neste momento grave da história política da cidade de Bom Despacho, onde verifica-se uma crise da administração municipal em função de acusações várias, eu, Lúcio Emílio do Espírito Santo Júnior (professor) convoco a comunidade interessada em cultura, artes, política e comunicação para o debate a respeito das possíveis saídas e propostas para a cidade, levando em conta as presentes reivindicações:

• Diante do fato de que não existe uma Lei Municipal de Cultura, os artistas locais contam com a administração para algumas atividades esparsas, mas no geral a cultura, artes e comunicações estão entregues à competição selvagem do mercado e contam com ajuda insuficiente da administração local. Convoca-se, através desta, os cidadãos interessados em cultura para tomarem uma atitude em relação à redação da Lei Municipal de Incentivo à Cultura.

• Apoio à Festa de Reinado com divisão igual da verba destinada aos cortes envolvidos na Festa.

• Se a conjuntura política da atual administração é de crise, também crítica se encontra a situação dos músicos locais, que encontram pouquíssimos espaços de trabalho remunerado. Reivindica-se, através desta, espaço remunerado nas rádios de Bom Despacho para os músicos locais.

• Necessidade de criação e apoio à TV local (lutar para trazer TV Interativa também para a TV como canal aberto) e uma rádio comunitária (que poderia ser a 104, 7 Killer FM, legalizada).

• Apoio a iniciativas como o Coral Voz e Vida, assim como a volta das aulas de Música às escolas.

• Exigir apoio da comunidade e da administração para iniciativas como a editora Dez Escritos. Reivindicar o estímulo à produção de produção oral e escrita na Língua do Negro da Costa, também conhecida como “gira da Tabatinga”, tendo em vista preservar esse rico patrimônio lingüístico local, ameaçado de extinção; apoio ao cumprimento de lei que obriga a inclusão de aulas de cultura afro-brasileira, ausentes na cidade, com exceção de uma experiência na Escola Martinho Fidélis. Criação de oficinas e apoio à publicação de livros na Língua do Negro da Costa (“Gira” da Tabatinga)

• Pagamento do INSS para os funcionários demitidos da prefeitura.

• Pagamento do piso salarial de oitocentos reais (por 25 horas semanais) para os professores.

• Estatização das siderúrgicas locais, hoje paradas devido à crise, com indenizações para os trabalhadores e para os moradores do bairro São Vicente, que há anos conviveram com a poluição.

• Revitalização do Beco dos Aflitos, com valorização do patrimônio afro local.

• Liberdade de organização e reunião para o movimento estudantil da UNIPAC Bom Despacho. Transformação da dívida da UNIPAC com a prefeitura em bolsas para os estudantes.

• Não à privatização da BR 262 depois de duplicada e não ao pagamento de pedágios. Ampliação da duplicação até Bom Despacho (atualmente, só chega até Nova Serrana). Construção do trevo diante da UNIPAC para maior segurança dos alunos.

• Construção do aterro sanitário local.

• Criação do Parque Mata do Batalhão, transformando a mata em um parque ecológico público sob controle do município.

• Apoio aos pequenos produtores locais para que possam se opor ao agronegócio e dizerem não aos transgênicos.


• Reinstalação do posto do ministério do trabalho que Bom Despacho perdeu.

• Apoio à construção da sede da ADEFIS (Associação dos Deficientes Físicos) e da sede da escola de música do maestro Domingos.

• Apoio à CPI do prefeito Haroldo Queiroz e, se ela comprovar as acusações, impeachment já.

Isto posto, convido a todos para debater os pontos acima aqui no revista cidade sol.
Anônimo disse…
Mais esse professor Lúcio é mesmo um atoa. Vê se arruma alguma coisa pra fazer, ao invés de ficar aí apoiando gente que nem conhecemos. Tá querendo fazer igual ao Bill? Nunca fez nada. Só fundou o PT e o que ele é na vida? Para de viver na sombra dos outros. Vai procurar emprego, dá muito mais certo seu desocupado.