Exportações do agronegócio de Minas Gerais crescem 34% e batem recorde em 2010


A receita das exportações do agronegócio de Minas Gerais em 2010 foi de US$ 7,6 bilhões. O valor é recorde e representa um crescimento de 34% em relação ao ano de 2009. Os números foram divulgados pelo Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

O secretário de Estado da Agricultura, Elmiro Nascimento, observa que os números do MDIC mostram que o crescimento registrado em Minas Gerais supera a média nacional. “Minas cresceu mais que o país. Enquanto o valor dos nossos embarques cresceu 34%, o Brasil apresentou um aumento de 18%”, ele explica.

Elmiro Nascimento ressalta também o aumento do volume exportado em 2010 pelo agronegócio estadual: 7,1 milhões de toneladas. Um crescimento de 16,2%. “Os principais destinos dos produtos foram Alemanha, Estados Unidos e Japão”, informa o secretário. De acordo com Elmiro Nascimento, o café, principal produto da pauta de exportação do agronegócio, respondeu no ano passado por cerca de 1,4 milhão de toneladas embarcadas, ou 20% dos embarques totais de Minas.

As vendas externas do café garantiram uma receita de US$ 4,1 bilhões, cifra 40,9% superior à registrada em 2009. Segundo o secretário, as exportações mineiras do produto foram favorecidas sobretudo pela redução dos estoques mundiais. “Por isso, a cotação média do café de Minas no exterior alcançou US$ 25,67 a tonelada”. Ele acrescenta que o cenário internacional favorece o café de Minas, produto que apresenta alta qualidade.

“O ano foi excelente também para as exportações mineiras de açúcar, que movimentaram US$ 997,8 milhões, ou 63% mais que o valor registrado no período anterior”, acrescenta o secretário. As exportações mineiras de açúcar têm sido beneficiadas pela retração da produção na Índia há várias safras. Aquele país é o segundo maior produtor do mundo, com uma participação de 13,4% do mercado, enquanto o Brasil lidera com a participação de 23,7%.

“Minas Gerais se beneficia de uma parcela dos mercados anteriormente considerados destinos do açúcar produzido pelos indianos. Ao mesmo tempo, os embarques mineiros alcançam atualmente outros destinos, como a China, onde o consumo do produto tem aumentado como consequência da mudança nos hábitos alimentares da população”, explica Elmiro Nascimento.

Outro setor que se destaca nas exportações do agronegócio mineiro é o de carnes, que respondeu no ano passado pela movimentação de US$ 752,1 milhões, cifra 15,2% superior à registrada em 2009. A carne bovina teve receita de US$ 281,2 milhões, valor 9% mais alto que o alcançado em 2009. Contribuiu especialmente para esse resultado a melhoria da cotação do produto, graças à demanda crescente.

O secretário observa que, ao mesmo tempo, os consumidores encontram carne de qualidade exportada por Minas Gerais. “O Estado conta com 566 fazendas aprovadas para fornecer carne segundo as exigências da União Europeia, que também servem de referência para a comercialização do produto em outros mercados mundiais”.

As exportações mineiras de frango, no ano passado, bateram o antigo recorde de 2001, alcançando US$ 252,9 milhões. Este valor é 35,66% superior ao registrado em 2009. Os negócios foram favorecidos pelo volume embarcado, que alcançou 162,9 mil toneladas, grande parte desse produto destinado ao Kwait.

Madeiras e derivados exportados por Minas também tiveram resultados expressivos no ano passado. A receita, da ordem de US$ 725 milhões, equivale a um aumento de 75,5%. As vendas de milho para o mercado internacional foram a que apresentaram uma dos mais altos crescimentos em 2010. Os embarques do Estado somaram US$ 129,2 milhões, uma elevação de 2119% em relação a 2009.

Já os principais produtos que apresentaram retração das exportações em 2010 foram o etanol (-32%) e os produtos do complexo soja (-15,3%).

Exportações do agronegócio de Minas Gerais – 2010

Total: US$ 7,6 bilhões (alta de 34%)
Café: US$ 4,1 bilhões (alta de 40,9%)
Açúcar: US$ 997,8 milhões (alta de 63%)
Carnes: US$ 752 milhões (alta de 15,2%)
Madeiras e derivados: US$ 725 milhões (alta de 75,5%)
Milho: US$ 129,2 milhões (alta 2119%)

Comentários