Apreensão de produtos piratas triplicou nos últimos seis anos, aponta relatório

O Relatório Brasil Original, apresentado nesta sexta-feira, 2 de dezembro, pela Receita Federal, aponta que o governo apreendeu R$ 1,27 bilhão em produtos falsos, contrabandeados e piratas em 2010. De acordo com o Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNCP), o montante é três vezes maior que há seis anos.

Entre 2010 e 2011, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou aumento nas apreensões de combustíveis, que saltaram de 98 mil para 200 mil litros, de equipamentos de informática, de 98 mil para 195 mil unidades, e de bebidas, que somaram 106 mil litros em 2010 e já chegam a 136 mil litros em 2011.

Entre as mercadorias mais apreendidas em 2011, os cigarros lideram o ranking. Até novembro, as apreensões chegaram a 4,52 milhões de pacotes, ante 3,42 milhões no ano anterior.

Já as apreensões de CDs e DVDs tiveram queda nos últimos dois anos, passando de 5,79 milhões de unidades em 2010 para 3,77 milhões de janeiro a novembro de 2011. Ainda assim, os itens ainda estão em segundo lugar na lista de mercadorias piratas mais apreendidas no país.

O ministério também divulgou os resultados de operações conjuntas da Polícia Federal (PF), PRF e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para apreensões de medicamentos falsos. Em 2010, foram 1.245 operações, que resultaram na apreensão de 18 milhões de comprimidos. Só na Bahia, as apreensões somaram 15 milhões de comprimidos, segundo dados da PRF.

Mais 71,5 toneladas de medicamentos sem registro e 72,5 toneladas de medicamentos vencidos ou impróprios também foram recolhidos nas operações. Entre os remédios falsificados e contrabandeados que mais circulam no Brasil estão os anabolizantes, os emagrecedores e os medicamentos para disfunção erétil.

De acordo com o CNCP, além de feiras livres, camelôs e vendedores na internet, os medicamentos piratas também estão à venda em farmácias e lojas, o que reforça a necessidade de fiscalização.

Segundo o relatório, em 2010, a Polícia Federal instaurou 8 mil inquéritos por contrabando e descaminho e 555 por pirataria. No mesmo período, 412 pessoas foram presas. O CNPC reúne 20 entidades públicas e privadas, responsáveis pela implementação do Plano Nacional de Combate à Pirataria.

fonte: Portal Eco

Comentários