sábado, 9 de julho de 2011

7º BPM REALIZA SOLENIDADE FESTIVA DE COMEMORAÇÃO DOS 80 ANOS COM HOMENAGENS

A Polícia Militar, na manhã de hoje (08), no Ginásio poliesportivo do Colégio Tiradentes de Bom Despacho, a solenidade cívico militar em comemoração os 80 anos de instalação do 7º Batalhão.
Na solenidade houve homenagens aos militares da reserva com a entrega da Medalha “Coronel Fulgêncio de Souza Santos”, entregue aos ilustres Capitão QOR Capelão Pe. Pedro Lacerda Gontijo e ao 3º Sargento QPR José Vieira. Na sequência houve a outorga das Medalhas de Mérito Militar, Graus Bronze e Prata, aos Oficiais e Praças.
Durante a solenidade, seguiu com uma emocionante homenagem aos ex-Comandantes do 7º BPM, onde se reuniram os Oficiais vivos com parentes bem próximos daqueles que já deixaram a vida terrena. Eles receberam das mãos do Comandante da 7ª Região da Polícia Militar, Coronel Eduardo Campos de Paulo e do Comandante do 7º Batalhão, Tenente-Coronel Wagner Soares de Sant’Ana, um troféu que materializa o momento marcante daqueles que dedicaram boa parte de suas vidas, ao cumprimento do dever, na direção do conhecido “Machado de Prata” (apelido dado com carinho ao 7º BPM).
O evento prosseguiu com a entrega dos diplomas de Título de Colaboradores Beneméritos da PMMG à autoridades e representantes civis que tanto colaboram para a busca constante da paz social e para o fortalecimento da cidadania. O reconhecimento é feito pelo Exmo. Sr. Comandante Geral da PMMG, Coronel Renato Vieira de Souza, quando do aniversário da PMMG que neste ano completou seus 236 anos de existência.
O 7º Batalhão ainda reconheceu o trabalho do dia-a-dia de policiais militares que dedicam sua vida à Corporação, concedendo aos destaques profissionais da Unidade, um Certificado de Destaque, nas modalidades Administrativa, Operacional, Motorista e Músico Padrão.
A cerimônia encerrou com a entrega do Certificado de Reconhecimento dos policiais militares que se transferiram para os Quadros da Reserva da PMMG e com a entrega de uma viatura policial, adquirida em parceria com o Poder Legislativo e o Conselho Municipal de Segurança Pública de Bom Despacho, representados respectivamente pelo Sr. Lúcio Fidelis e pelo Dr. João Batista Simeão da Silva.
Após o encerramento, os homenageados se deslocaram para as dependências do prédio da Guarnição PM de Bom Despacho, onde se localiza o 7º Batalhão, e, conforme rezava a história deste Batalhão que tanto representa para o município e para a Corporação Mineira, onde foi realizada a foto que servirá de registro para os anos vindouro.
A mistura de nostalgia e euforia tomou conta dos homenageados que puderam desfrutar desse momento juntos, regado a um faustoso coquetel comemorativo da data festiva.

É a Polícia Militar: com você no fortalecimento da cidadania.

 Assessoria de Comunicação Organizacional – 7º BPM

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Promotor diz que continua investigando as denúncias contra Haroldo

O promotor Luciano Moreira, da Defesa do Patrimônio Público, disse a Rádio Difusora ontem, que não existe uma previsão de quando o MP terminará de apurar as denúncias contra o prefeito Haroldo Queiroz. Na última semana, o chefe do executivo recebeu a visita inesperada de autoridades na sua casa.

A operação Cosa Nostra foi também as casas do Presidente da Câmara Municipal Marcos Fidelis, do Assessor Executivo Acir Parreiras e mais dois empresários. "Estamos investigando as denúncias", alertou em entrevista a Rádio Difusora.

Perguntado que a Operação realizada foi devido as denúncias do vereador Fernando Cabral, o promotor afirmou que o trabalho já vem sendo feito antes mesmo de ter sido apresentada.

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Lei que obriga transmissão audiodescritiva em TVs abertas entra em vigor

As emissoras de TV licenciadas com o sinal digital devem transmitir pelo menos duas horas semanais de produções com a audiodescrição - recurso que possibilita aos deficientes visuais e intelectuais compreender o que está sendo transmitido pelo veículo. A lei entrou em vigor na última sexta-feira, 1º de julho, em cumprimento a uma portaria publicada pelo Ministério das Comunicações, em 2006.

Esta prática já é comum em outros países, sendo utilizada em espetáculos teatrais, cinemas, óperas, exposições e eventos esportivos. A lei, porém, ainda não beneficia toda a população brasileira, pois o sinal digital não está disponível em todas as cidades do país.

A norma estima que as geradoras e retransmissoras passem a exibir vinte horas semanais de programas adaptados, até 2020. Segundo Maria do Rosário, ministra da secretária dos Direitos Humanos, o governo federal pode reduzir o atual prazo para que a meta seja alcançada em menos tempo. “Isso é muito possível, porque confio na capacidade do Brasil de responder bem às causas da inclusão”, afirmou.

Além da audiodescrição, os programas transmitidos em outros idiomas têm que ser integralmente adaptados, com a dublagem das conversas ou da voz do narrador. As legendas ocultas, que já são utilizadas, continuarão sendo obrigatórias.

Para Moisés Bauer Luiz, presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Portadora de Deficiência (Conade) e da Organização Nacional de Cegos do Brasil, a obrigatoriedade não satisfez os movimentos sociais, uma vez que esta foi publicada em 2006, e só entrou em vigor este ano.

“A carga de programação a ser audiodescrita é muito pequena. Não estamos satisfeitos e queremos aumentá-la. É um absurdo, mas cinco anos após a publicação da portaria original, vamos considerar uma vitória garantir a transmissão de ao menos duas horas semanais”, enfatizou.

Audiodescrição

A audiodescrição garante ao deficiente visual o acompanhamento de cenas sem diálogos e o entendimento de textos televisivos. A narração é detalhada através de sons, elementos visuais e outros sinais, e disponibilizada em um canal de áudio secundário, por meio da função SAP – do inglês Programa Secundário de Áudio.

Segundo a professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP), Lívia Maria Motta, e também autora do primeiro livro brasileiro abordando o tema, a atividade tem atraído profissionais de diversas formações e estudantes, principalmente da área de letras e comunicação social.

“Esta é uma nova área profissional, com as transmissões televisivas (audiodescritas), a demanda pelos profissionais vai aumentar”, comentou a professora. "E este é um serviço minucioso que exige muita preparação. Não basta assistir a um programa uma única vez e sair inserindo a audiodescrição. O serviço exige um mergulho no tema”, concluiu.

Portal Eco

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Cemig alerta para os riscos de soltar papagaios perto da rede elétrica


Durante o inverno, a prática de soltar papagaios se intensifica devido ao tempo favorável - céu limpo, ventos mais intensos e constantes, escassez de chuva e de raios. No entanto, essa brincadeira pode trazer graves consequências, se praticada próximo à rede elétrica.
Segundo informações da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), cerca de 1,1 milhão de consumidores em todo o Estado foram prejudicados, em 2010, por papagaios presos nas linhas de distribuição. Foram registradas 4.562 interrupções no fornecimento de energia provocadas por papagaios, representando 2% do total. Mais da metade dos desligamentos (2.776) ocorreram exatamente durante o inverno, entre os meses de junho e setembro, atingindo cerca de 700 mil consumidores.
As principais causas dos desligamentos são o rompimento de cabos por causa do uso do cerol - mistura cortante feita com cola, vidro e restos de materiais condutores de eletricidade, e curtos circuitos provocados pela tentativa de retirar o papagaio da rede. De janeiro a junho de 2011, foram contabilizadas cerca de 1,9 mil ocorrências e cerca de 500 mil consumidores sem energia.
Em 2010, o maior número de interrupções causadas por papagaios na rede elétrica aconteceu na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH): 2.131 ocorrências. De janeiro a junho deste ano, foram registrados 1.067 desligamentos.
Acidentes 
De acordo com o engenheiro de Segurança do Trabalho da Cemig, Demétrio Venício Aguiar, a maioria dos acidentes acontecem quando o papagaio fica preso na rede elétrica e as crianças tentam retirá-lo utilizando materiais condutores, como pedaços de madeira e barras metálicas, entre outros.
Ele ressalta que o contato com a rede elétrica pode ser fatal, além do perigo de queda em função do impacto causado pelo choque elétrico. “As crianças também se arriscam subindo em muros, postes, linhas de transmissão e construções, e muitas soltam pipas com arames e fios, o que é muito perigoso”, afirma o engenheiro. Os acidentes mais comuns são queda de altura e choque elétrico com queimaduras graves.
Felizmente, neste ano, a Cemig não registrou nenhum acidente causado por papagaios. Mas, nos últimos quatro anos, aconteceram quatro acidentes dessa natureza com vítima fatal. O primeiro ocorreu em julho de 2007, com uma criança de nove anos, em Machado, no Sul de Minas. O outro foi em julho de 2008, em Belo Horizonte, com uma criança de 12 anos, que sofreu choque elétrico e queda. Em agosto de 2009 uma menina sofreu choque elétrico ao tentar retirar um papagaio da rede elétrica utilizando uma barra de ferro e, em julho de 2010, um jovem de 22 anos encostou na rede elétrica quando tentava retirar um papagaio preso a uma castanheira.
Ainda segundo Demétrio Aguiar, outro hábito que deve ser evitado é o uso do cerol. A mistura pode transformar uma simples linha de papagaio em um material condutor e provocar choque elétrico ao entrar em contato com a rede. Há também o risco de acidentes com motociclistas e transeuntes, provocados pela mistura cortante. 
“Tenho observado que muitas crianças, ao procurar um local sem redes elétricas, estão se arriscando em beiras de rodovias, de pontes e viadutos. Além do risco de atropelamento há a possibilidade de acidente com motociclistas e ciclistas que ao tocarem a linha podem se machucar, mesmo que esta não tenha cerol”, alerta o engenheiro.

Fonte: Ag. Minas

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Palestra Estrada de Paracatu dia 10 de Julho

 O engenheiro Italo Coutinho faz uma palestra sobre os Caminhos sobre a Estra de Ferro Paracatu no dia 10 de julho no auditório do Sétimo Batalhão de BD. O evento é parte da programação do Festival de Inverno.

O evento é realizado em parceria com a Secretaria de Cultura de Bom Despacho. Mais informações podem ser obtidas através do telefone: 37-3521-4206.

Segundo os organizadores, o público voltado para esta palestra são estudantes, professores e historiadores.

Dia 15 de Julho: Maria Cecília e Rodolfo

Este é um show que Bom Despacho já espera há  algum tempo. É um espetáculo hoje visto por quase todo Brasil. A dupla Maria Cecília e Rodolfo é considerado atualmente como um dos melhores do país.
                                                                                                                                                                 O evento acontecerá  dia 15 de julho, sexta,  no Parque de Exposições, a partir das 20h. A expectativa está tomando conta das ruas e dos principais pontos da cidade. O primeiro lote está praticamente esgotado.

Os ingressos são para pista e camarote com preços promocionais para o segundo lote. Os pontos de venda em Bom Despacho são Loja Acústica e Padaria São Vicente. Mais informações podem obtidas pelos telefones:37- 3521-2326, 3522-1601, 9942-5069 e 8837-694.
                                                                                                                                Nos últimos dois anos, Bom Despacho se caracterizou bastante pela rotina de shows que a cidade tem recebido. Maria Cecília e Rodolfo é um show que muitos bom-despachenses esperam.