Acidentes por animais peçonhentos aumentam no período chuvoso e no verão


Animais peçonhetos são perigo no período chuvoso

Os acidentes com aranhas, serpentes, escorpiões, abelhas e lagartas tendem a crescer entre os meses de outubro e março
A chegada da estação mais quente do ano também é convidativa para a proliferação de animais peçonhentos. Os acidentes por esses animais tendem a aumentar entre os meses de outubro e março, seja na zona rural ou urbana, e sofrem influência de atuais desequilíbrios ecológicos.
Em Minas Gerais, os números mostram a necessidade de maior cuidado e atenção da população. Os acidentes por aranhas, serpentes, escorpiões, abelhas e lagartas somam mais de 70 mil casos nos últimos três anos (2011-2013). Em 2013, o Estado registrou quase 25 mil casos. Destes, a maior incidência é de acidentes por escorpiões que somam mais da metade dos atendimentos, com 15.592 casos, seguido de aranha: 3.518, serpente: 3.368, abelha: 1.449 e lagarta: 1.052. No total, 31 pessoas morreram em 2013 em decorrência de picadas de animais peçonhentos.
O biólogo e referência técnica em acidentes por animais peçonhentos da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES/MG), Leonardo de Freitas, confirma que os acidentes por animais peçonhentos aumentam no período chuvoso e que Minas Gerais é um dos estados que mais notifica acidentes por animais peçonhentos no Brasil.
“Existem vários fatores que contribuem para isso, entre eles a maior atividade dos animais peçonhentos nesta época em busca de abrigos secos, alimentos e para reprodução. O período de férias e as atividades de campo das pessoas, envolvendo agricultura e ecoturismo, também deixam a população mais exposta aos acidentes por animais peçonhentos. A faixa etária mais acometida é entre 20 e 65 anos de idade, apesar de a faixa etária entre 0 e 14 anos ser a mais suscetível a acidentes graves, principalmente acidentes por escorpião”, conclui Leonardo.
Cuidados
Em caso de acidentes, a pessoa deve ser encaminhada o mais rápido possível para um hospital que tenha soro antipeçonhentos. Durante o socorro, ela deve se mover o mínimo possível. O membro atingido deve ser colocado numa posição mais elevada em relação ao corpo, e o local da picada deve ser lavado apenas com água e sabão.
Em casos de acidentes por águas-vivas e caravelas, deve ser aplicada compressa de água gelada do mar (não utilizar água doce), e evitar esfregar a área acometida. Não devem ser usadas outras substâncias como urina, cachaça, borra de café em nenhum tipo de acidente por animal peçonhento, pois esta prática pode ocasionar complicações como infecção. O tratamento é oferecido gratuitamente em hospitais do SUS de todos os estados.
Prevenção de acidentes por escorpiões e aranhas
Para evitar acidentes por escorpiões e aranhas, a pessoa deve usar calçados e luvas nas atividades rurais e de jardinagem; examinar calçados e roupas pessoais, de cama e banho, antes de usá-las; vedar frestas e buracos em paredes, assoalhos, forros e rodapés; utilizar telas, vedantes ou sacos de areia em portas, janelas e ralos.
Outros cuidados são a preservação de predadores naturais como seriemas, corujas, sapos, lagartixas e galinhas; limpeza de terrenos baldios, pelo menos na faixa de um a dois metros junto ao muro ou cercas; não acúmulo de lixo e materiais de construção. As pessoas devem ainda evitar contato com lama e água de enxurrada, e sempre utilizar botas e luvas.
Acidentes por serpentes
Para evitar picadas de serpentes, as pessoas não devem andar descalças, utilizando sempre sapatos fechados associados a perneiras (ou botas de cano longo), e luvas de couro nas atividades rurais e de jardinagem. Não devem colocar as mãos em tocas ou buracos na terra, ocos de árvores, cupinzeiros, em espaços situados em montes de lenha ou entre pedras e evitar acúmulo de lixo e materiais de construção.
Controlar o número de roedores existentes na área para evitar a aproximação de serpentes peçonhentas que deles se alimentam também é importante. No amanhecer e no entardecer, evitar a aproximação à vegetação muito perto do chão, gramados ou até mesmo jardins, pois é nesse momento que as serpentes estão em maior atividade.
Acidentes por lagartas
Ao realizar atividades de jardinagem ou qualquer outra atividade em ambientes silvestres, observar bem o local: troncos, folhas, gravetos - antes de manuseá-los, fazendo sempre o uso de luvas para evitar o acidente.
Acidentes por abelhas
Abelhas e marimbondos são atraídos por sons, odores e cores, como barulho de motores de aparelhos de jardinagem e de motores de popa. No campo, o trabalhador deve atentar para a presença de abelhas, principalmente no momento de arar a terra com tratores. As retiradas de colmeias devem ser feitas, preferencialmente, à noite ou ao entardecer, quando os insetos estão calmos, com roupa protetora e, principalmente, por profissional competente.

 Ag. Minas

Comentários