Exame capaz de diagnosticar dengue em 20 minutos pode chegar ao SUS neste primeiro semestre

A nova tecnologia de Diagnóstico Rápido da Dengue poderá reduzir o tempo de análise de amostras para 20 minutos e está sendo desenvolvida pela Fundação Ezequiel Dias (Funed), em parceria com aUniversidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a Fundação Centro de Hematologia e Hemoterapia de Minas Gerais (Hemominas). O protótipo está em fase de testes e inicialmente deve ser utilizado na Funed, que recebe anualmente cinco mil amostras de pacientes mineiros para exames laboratoriais. Se validado, o Diagnóstico Rápido da Dengue deverá ser disponibilizado em toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS), em lâminas descartáveis, na forma de pacotes com 25 ou 100 testes, ainda no primeiro semestre deste ano. 

O kit foi criado pelas pesquisadoras Alzira Batista Cecílio (Funed) e Erna Kroon (UFMG) e pode agilizar o tratamento contra a doença. O método traz uma pequena fita que, em contato com a amostra do paciente, se contaminado, reage à presença do vírus e muda de cor. “Com a essa nova técnica, o médico poderá tomar a decisão correta sobre o tratamento e ganhar tempo na ação contra a dengue”, acredita Cecílio. Para a analista da Unidade de Inovação e Tecnologia do Sebrae-MG, Andrea Furtado, a nova tecnologia também vai contribuir para economia nos sistemas de saúde mundiais. “Sem o diagnóstico rápido, atualmente, há um prejuízo de R$ 3,5 bilhões nos sistemas de saúde do mundo todo”, afirma Andrea. 

O novo kit de Diagnóstico Rápido da Dengue, que utiliza uma nova técnica conhecida como imunocromatografia, faz lembrar os aparelhos de monitoramento de glicemia, usado no diagnóstico de diabetes. A diferença é que o sangue coletado do paciente não é aplicado diretamente no kit: o teste é realizado com o soro separado das células sanguíneas e, por isso, a metodologia ainda exigirá a coleta de sangue do paciente. Para análise, o soro é colocado sobre a membrana – que integra a parte interna do suporte plástico que compõe o kit - juntamente com o diluente. A reação que pode indicar a presença de proteínas do vírus da dengue ou anticorpos produzidos, ocorre em 20 minutos.

Atualmente, os testes de diagnóstico da dengue são realizados a partir dos métodos MacELISA e ELISA, que se diferenciam principalmente pelo processo e tempo decorrido entre a análise do soro e o diagnóstico.

“No primeiro método, temos que desenvolver os reagentes, montar toda a plataforma de análise do soro em laboratório, procedimento que demanda três dias de trabalho”, explica o chefe do Serviço de Virologia e Riquetsioses, Glauco de Carvalho Pereira. Já o ELISA, segundo Glauco, por se constituir em um kit pronto garante a economia de tempo, reduzindo todo o processo de análise do soro para aproximadamente cinco horas. A metodologia MacELISA é considerada padrão ouro pelo Ministério da Saúde, sendo a técnica mais sensível utilizada atualmente, com maior índice de assertividade.


Ag. Minas

Comentários