PROCON ALERTA SOBRE O GOLPE DO MASSAGEADOR

Muitos cidadãos estão sendo vítimas de estelionatários em ocorrências batizadas pelo PROCON de “golpe do massageador”. 


Pessoas de má-fé abordam moradores em suas casas lhes oferecendo um massageador elétrico por valores altíssimos que variam entre R$1.300,00 a R$2.160,00. Segundo relatos, dizem que cura diversos problemas de saúde, como artrite, artrose, reumatismo, inflamações no nervo ciático, dores na coluna, dentre outros. No entanto, não há nenhuma comprovação científica de benefícios para a saúde e produtos semelhantes, que possuem certificados emitidos pelo INMETRO, são vendidos por empresas conhecidas e respeitadas por valores muito menores, entre R$70,00 a R$200,00.

Nesses massageadores sequer há registros de marcas, além de não possuírem nenhum tipo de certificados ou selos de qualidade reconhecidos no Brasil. Isso leva o PROCON a crer que tais produtos, além de vendidos por valores absurdamente exorbitantes, possivelmente ainda são falsificados, trazendo perigos reais à integridade física dos compradores. 

O consumidor que for abordado por esses vendedores deve chamar a polícia imediatamente. Trata-se, no mínimo, de um contrato passível de anulação por caracterizar-se como lesão prevista no Código Civil, porque há uma prestação manifestamente desproporcional, mas pode também ser considerado um crime de estelionato. Estão obtendo vantagem ilícita, induzindo os consumidores a erro mediante artifício ardil ou fraudulento.

De tempos em tempos um grupo vem até Bom Despacho aplicando esse golpe, geralmente em pessoas idosas. É muito importante que todos estejam prevenidos para não comprar, mas, se isso acontecer, a forma mais rápida de resolver é comparecer ao PROCON dentro do prazo de 7 (sete) dias manifestando o seu direito de arrependimento nos termos do artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor, uma vez que a compra é feita  fora de um estabelecimento comercial. Depois dos 7 (sete) dias os fatos terão de passar por investigação e/ou uma análise judicial para apuração da ocorrência de lesão ou crime de estelionato, dificultando qualquer resolução administrativa.

A coordenadora do órgão, Valéria de Lima Carvalho, explica que “está sendo vendido atualmente um massageador, mas é importante ter cuidado com qualquer vendedor, pois este golpe pode sofrer variações posteriormente com a oferta de outros tipos de produtos”. O PROCON pede que essa matéria seja divulgada e compartilhada o máximo possível, para que toda a cidade fique atenta e não caia mais no golpe. 

Fonte: Comunicação Procon Bom Despacho 

Comentários