AGRONEGÓCIO



COMO FAZER LEILÕES DE GADO


Mais de 4 mil animais serão disponibilizados durante leilões na ...
 
(De acordo com a Portaria 1.978 de 9/4/2020, do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), que atualiza a Portaria 1.971.)

Eventos pecuários no estado, como leilões, podem ser promovidos em Minas Gerais, se forem respeitadas as seguintes determinações:

 
Os promotores devem obter autorização da Prefeitura, levando em consideração o avanço da pandemia no município;


Limitações, como proibição de venda de bebidas e preparo de alimentação nos locais; e mesas com distância de dois metros umas das outras (havendo apenas uma pessoa por mesa);


A Prefeitura pode limitar o número de eventos por semana e definir o número máximo de participantes;

“É uma abertura positiva. A comercialização de animais estava represada no estado, pois os leilões presenciais sempre foram o método mais convencional de venda. Os leilões virtuais não são práticas comuns na maioria dos municípios. Agora, os sindicatos rurais poderão voltar a promover os leilões presenciais, com responsabilidade e respeitando os critérios estabelecidos na portaria. É mais uma conquista do Sistema FAEMG para o produtor rural mineiro. ”


Altino Rodrigues Neto

( Superintendente Técnico do Sistema FAEMG)









A PECUÁRIA MINEIRA E A CRISE DO CORONAVÍRUS


Sistema Safra Pecuário da Emater-MG ajudará na análise do setor em ... Os desafios da pecuária leiteira diante da pandemia do coronavírus não são poucos, mas a produção segue normalizada e, no momento, não há risco de falta de leite para a população. No entanto, há questões preocupantes para a atividade, que foram discutidas em transmissão ao vivo (Live) pelo Instagram pelo presidente da Comissão Técnica de Pecuária de Leite do Sistema FAEMG, Eduardo Pena, com participação da coordenadora da Assessoria Técnica da FAEMG, Aline Veloso.

 “Há muita insegurança, diante da volatilidade do mercado; do elevado custo de produção por causa do reajuste da ração (preços de soja e milho seguem cotações internacionais e são influenciados pelo dólar); e da perda de renda da população e consequente retração do consumo de leite”, afirma Eduardo Pena.

 Momentos de destaque da Live:

 “O Sistema FAEMG vem trabalhando para que os impactos da pandemia na produção de leite e em outras atividades agropecuárias sejam os menores possíveis.”

  • “A instabilidade gera apreensão. E os preços, para os quais antes existia alguma previsibilidade mensal, agora oscilam fortemente semanalmente e até diariamente. Isto é muito ruim.

  • “Estamos vendendo leite em real e tratando de vaca em dólar.”

  • “A pressão maior vem das commodities: a alimentação dos animais representa de 65% a 70% do preço do leite e as cotações de milho e soja não param de subir por causa da alta do dólar e aumento das exportações, mais convenientes por causa do câmbio.”

  • “Na cadeia produtiva do leite, houve problemas de captação no início dos processos de isolamento social nos municípios. Algumas cidades fecharam o trânsito, rodovias. Mas foram casos isolados que já foram normalizados.”

  • “Diante da perda de renda da população e o fechamento de hotéis, restaurantes, bares, que consomem muitos dos nossos produtos, ficamos pensando no que pode acontecer. Nos preocupam.”

  • “Os fechamentos geraram impacto direto para os produtores de queijo do estado. Muitos laticínios não têm o selo do SIF têm o estadual, o SIM, podem trabalhar os artesanais, mas não sabiam o que fazer com este leite. Uma das ações da FAEMG junto à CNA foi buscar a permissão do Ministério da Agricultura para que as empresas com SIF pudessem absorver este leite destes pequenos laticínios. Conseguimos que as indústrias captassem esse leite, o que amenizou bastante”

  • “A função do produtor é produzir alimento. É trabalhar sem pensar neste colapso. É difícil traçar um cenário a longo prazo, mas esperamos que as coisas entrem na normalidade. Temos que continuar firme e pensar em seguirmos o que estamos fazendo, produzindo alimentos. Esperamos que não aconteça nenhum colapso.”

  • “Estamos tomando todos os cuidados para prevenção do coronavírus no meio rural, com controle para que isto não afete o campo, para não prejudicar a produção de alimentos. O campo tem que se cuidar muito.”

  • “No início do isolamento, o varejo aproveitou de certa forma para elevar preços, às vezes colocando culpa no produtor, e isso não foi verdade.”

  • “Na última reunião do Conseleite Minas, no dia 27, foi publicado o valor de referência e foi apontado o aumento de R$ 0,076 no litro de leite pago ao produtor. Temos que ter cautela porque não sabemos o que está por vir. O que precisamos é tentar diminuir o percentual de erros.”

  • “O Conseleite trabalha com dados técnicos e nos fornece valores de referência. Todos os meses, sentamos e discutimos todos os fatores inerentes à cadeia produtiva do leite. Indústria e produtores rurais tratam de tudo com respeito. No site (www.conseleitemg.org.br), o produtor faz o cálculo para o valor de referência do seu próprio leite, de acordo também com a capacidade da indústria.”

  • “Instruções Normativas do Ministério da Agricultura são para serem seguidas.”

  • “É importante escutar o seu técnico para tomar as melhores decisões na atividade.”

  • “O Fundesa nos ajuda muito e nos trás respaldo na sanidade da pecuária.”

  • “Projeto de lei do deputado Coronel Henrique para a criação do Pró Leite é fundamental. Esse é um tipo de ação que fortalece o setor. Precisamos de promover com qualidade o que a gente faz, porquê as pessoas têm que estar consumindo os lácteos.”

  • “A FAEMG está tentando criar um canal de comercialização dos Queijos Minas Artesanais de forma virtual. Já há iniciativas para isto. Cada um precisa olhar ao seu redor e comprar esses produtos dos pequenos produtores de sua região. Só assim vamos ter poder de recuperação.”

  • “A gente tem prestado atenção nas dificuldades de comercialização de queijo neste período. Estamos estudando canais de comercialização. As buscar as oportunidades para os produtores está entre as ações do Sistema FAEMG.”

  • “Meu recado para o produtor de leite: se tiver de desistir, desista de ser fraco. Siga trabalhando, discuta com seu técnico a melhor alternativa e, se Deus quiser, vai dar tudo certo.”

 FONTE: FAEMG