TOQUE DE BOLA

Por Sérgio Cunha


Centenário Celeste!

Parabéns, Cruzeiro, pelos seus 100 anos

Não foi o centenário que todo torcedor celeste queria. Mas independente do momento conturbado atual, o Cruzeiro é gigante e merece todo o nosso respeito e admiração. Mesmo com minha paixão clubística, o Cabuloso sempre conviveu com o meu universo futebolístico da minha infância.

Desde as brincadeiras no quintal da casa do Dorvelino com o meu amigo Damião (o primeiro cruzeirense que tive contato), como a convivência no bar e mercearia do Zé Mauro com os clientes celeste, com a antiga equipe esportiva da Rádio Difusora, com Celio Sérgio e o Ismar de Oliveira, o conhecido Lima, da Rádio Minas, de Divinópolis, como também, as dezenas e dezenas de amigos da Raposa.

Quero parabenizar o Cruzeiro pelo seu centenário! 100 anos de glórias. Que os culpados sejam punidos por pilharem o clube e o colocarem na Série B. Mas vai subir. Depois de uma restruturação financeira, administrativa e técnica, vai subir. Joguem suas fichas!  

Vencer ou Vencer

Os resultados da 28ª rodada foram favoráveis para o Atlético na busca do título. O Flamengo perdeu para o Fluminense, de virada, e teve um grande jejum de vitórias quebrado no ‘Fla-Flu’. Arrascaeta saiu cuspindo maribondo demonstrando uma “insatisfação” no grupo rubronegro. Já o São Paulo foi à Bragança Paulista e tropeçou contra o Massa Bruta. Parece que a desclassificação na Copa do Brasil deixou o time de Fernando Diniz destemperado. Tchê Tchê chegou a discutir asperamente com o treinador. O volante cobrou que outros atletas retrucam Diniz e ele não pode? Não está nada “suave” lá pelos lados do Morumbi.

Com um jogo a menos (Santos), cabe o Atlético vencer o próprio Bragantino na próxima segunda (11). A diferença para o líder cairia para quatro pontos e a briga pelo título do Brasileirão ainda ficaria aberta. Na verdade, tem que ganhar todos os jogos restantes. Já passou o momento de pontos bobos perdidos. Agora é ‘vencer ou vencer’ como está escrito no hino do clube. O mantra tem que sair da oratória e ser praticado dentro de campo ou o Galo de Sampaoli perdeu o encanto?

Facão no Galo

A saída de Alexandre Mattos do Atlético foi a primeira ação do presidente Sergio Coelho na sua chegada na sede de Lourdes, em BH. Ou talvez seria do ‘Colegiado’ (o próprio Coelho, Rubens e Rafael Menin, Ricardo Guimarães e Renato Salvador: os conhecidos 4R’s). Há muita especulação: rusgas com o técnico Sampaoli, problemas particulares de Mattos e reformulação da área administrativa do clube com a nova gestão). Independente do motivo e troca de “seis por meia dúzia” na diretoria de futebol (Rodrigo Caetano), o que ninguém comentou é o valor da rescisão contratual de Mattos. Alta por sinal. Mas quando se trabalha com dinheiro alheio, não importa o valor da razão. Muito provável que ele somente receba na Justiça do Trabalho. Alguém duvida?

Luza Cracks

O trabalho de Ramon Peixoto no futebol feminino em Bom Despacho é algo louvável. Além de todas as dificuldades no âmbito esportivo, se preocupa com o local onde as meninas praticam o esporte. Através de suas redes sociais, Peixoto comentou sobre a melhoria na quadra do bairro Ana Rosa com o saneamento (a PBD está tirando rede de esgoto que passa por debaixo do local), entretanto, pediu conscientização para que não joguem lixo nas proximidades. “(...) Só quero ter um lugar de lazer limpo e bem cuidado para a molecada e para o Luza Cracks da Tabatinga”, disse. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário